quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

ar da graça

Podia sonhar
com um olhar
que cai da
janela

podia irritar-se
sofrer
cuidar
ou cozinhar
naquele andar

e tudo que estilhaçava
era somente
o sonho do porão

e mais medonho
do que o sonho
era o tédio
de não poder amar

e como não cria
se afastava
enquanto sofria
cuidava
e cozinhava

porém
com um dó dos
esfaimados
carneava sucintamente
uma poesia

anêmica
destituída de sol
solfejada
em laringe fria




                //////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário