segunda-feira, 20 de março de 2017

assenso


Culto de estranha clausura
no quarto em que jaz
varre réstias de alegrias
vê a lua se esfregando
na vidraça

mas já decanta-se tudo
que sonhou
em camadas de
inerte esquecimento

convive com as dores de aviso
enquanto  a morte semi-absoluta
adquire lotes nas cercanias

é tudo tão inútil
tanto que a alma silencia
se a carne parca
reclama  o antálgico
de um prazer
fugaz 






////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário