quarta-feira, 29 de março de 2017

folhas verdejantes

Viu às margens do Rio Narmada
um louco que dizia ser Deus

duas paredes
um corredor
deixo cair a bagagem
plantas do jeito que 
me fascina

vou
a morte me parece
tão linda com seu recato
furtara seus traços

e das cataratas
lançou-se poesia
na inexprimibilidade
desse amor

eu pensei que
n'alguma letra
ou verso agarraria 

mas não fui feliz
caí no meio das entrelinhas
visualizei teu rosto triste
tocando a "sonata ao luar"

e as notas eram gotas
entre velas acesas
e o estrondo
abriu com um vento a passagem
e vi o louco 
ou um espelho talvez




/////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário