segunda-feira, 27 de março de 2017

Jura,(um lugar para nós dois)



Eu queria falar de amor
e de sonhos latentes
e das montanhas guardadas
só pra nós dois(...)

mas acabo falando
disso e daquilo
desse e daqueloutro
filósofo que assim ou assado falou

uma brisa em meu coração
murmura em particular
que o amor pode ser
um divertimento
não importa a estação

e pode sim elevar
o nosso espírito
feito estas cordilheiras

tenho falado como um 
tolo pessimista
e as juras que faço
são como lampejos
da imaginação

mas entre quatro horizontes
eu queria endireitar os elementos 
que o destino sempre entorta

e em quatro dias reais e infinitos
sem enfado ou lamentos
amar-lhe (eu juro)
como ninguém 
jamais lhe amou








////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário