terça-feira, 28 de março de 2017

quando o destino congela


Sonhei que estava morto
São Pedro prestes a me dar 
a chave do céu
recuou-se

e eu sabia que
se fosse amado
com intensidade
não teria como não
devolver esse amor na mesma moeda

e talvez ela não soubesse
mas o mesmo ocorreria
se eu lhe desse 
este amor puro de menino 

estávamos assim
eu condenado a ser dela
e ela condenada a mim

mas surgiu o inverno
num lugar que neva
pedras de gelo impiedosas
cheias de lógicas

nossos corpos
distantes
nossos medos
triunfantes(...)

e a falta de fé no
impossível
congelou por tempo
indeterminado
o destino







///////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário