sábado, 29 de abril de 2017

minha casa


Faroletes
faroletes traseiros
vermelhos em fila
vinho rubi porque
voltam pra casa


além disso
o vidro fumê
tem que ser
bem escuro

e quando o maldito
farol se fecha
medo de sangue
de assalto


fácil o vidro
se quebra
com pedra

abra semáforo
sê boas
folhas verdes
uma grama macia

dá-me esperança
quero chegar em casa
tomar um banho
com o perfumado sabonete
e desfalecer

abre
abre
frágil calma
calma
enrolada em papel
alumínio

quase estrela
(quasar)

vem vindo gente
e "merdas acontecem"
não eu não quero morrer assim
entre faroletes vermelhos
pra cortar o pulso

já esterilizei
o estilete
quero lavar
os lençóis brancos
no sangue deste texto







///////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário