segunda-feira, 24 de abril de 2017

sonho e magia


pobres
não sabiam
definitivamente
a razão da
utopia

seu fim era
triste
ou sem nexo

desprezo
esquecimento
quando o mais forte
se afasta
do mais fraco

assim é o fim
como desfazer
as flores
do cardo

mas no caminho
do moinho
sempre havia sonhos
e sonhadores
apaixonados

os olhos não viam
as roupas que
as mãos estendiam
no varal

mas a mente
esvoaçava mais
quando o vento
brincava em respingos d'água

evaporados
os sonhos
choviam letras
no papel
ou nas unhas
sem cores

um dia de frio e sol
caminhando
por entre touceiras
de capim annoni

olhando casas
que não eram
sobrados

flores que
pareciam antúrios
em vasos

verde brotando dos cantos
corpo magro
e olhos assustados

tudo era simples
exceto o sentimento
que tauxiava-lhes
estrelas na noite
colhia
da horta
o bom cheiro

tudo era simples
exceto o
pulsar de
seus corações

um dia assim
frio de cortes
e magia
acordei
pensativo








///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário