quarta-feira, 10 de maio de 2017

a estrada do destino


A Estrada Real
corta o meu quintal
e segue seu destino
rumo à Sabará

eu me pergunto
quantas toneladas
de ouro esta Serra
ainda esconde

mas ela dorme
dorme linda como
o amor distante

pra sonhar estrelas
ofertar os néctares
e de olhos bem abertos
no olhar de quem se ama
perceber os diamantes

a Serra fingiu
não ser dourada(?)
o Rio Vermelho
fingiu-se mais que ferido
em coma(?)
sabe-se lá(!)

talvez pra que a paz voltasse
porque a Serra disse-me
enquanto eu meditava

"A razão pela qual existo
não é para enriquecer homens brutos
(como esses que maltratavam os negros)
mas quero ser um latíbulo para  amor
e o aprisco dos amantes"









///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


Nenhum comentário:

Postar um comentário