quarta-feira, 10 de maio de 2017

corpo carrilhão


O meu impasse
com os humanos
deve passar
mas não a
minha itinerância

cada um tem
o seu "Jesus"
moldado conforme
a sua mentalidade

moldado na métrica
do líder que o "enrola"

devo esterilizar
o estilete para
não infectar o
meu pulso (?)

quantitativamente
é hiperbólica
a ignorância

mas  nela
nunca houve
qualidade


e o meu punho(?)
com ele outrora
eu a lei impunha(?)
não

eu não usei o pulso
por impulso
e se hoje empunho
empunho só a tinta
azul do poema-fungo

o que importa
é que em algum lugar
sou ouvido
(com amor demais)

e junto ao
vento
que viaja
sobre a casca
do mundo

vem sobejamente o teu suspiro
como vem o pintassilgo
que a balsamina atrai

e só por isso meu bem
o meu poema
deixou a constância do tempo
a fim de peregrinar
em busca do teu perfume

se meu corpo
ainda vive
vive para tentar
vibrar o teu sensível coração

que venha 
Deus e me castigue
se eu não for desta perdida estirpe
o teu mais fremente carrilhão 











//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário