domingo, 7 de maio de 2017

dedos

Não penetra
o veneno
dos escorpiões
como a nódoa
da malícia
humana

preciso de um acorde
que me acorde
do pesadelo
desta vida
(sem você)

preciso de um sono
no qual eu sonhe
com uma colina
onde os alecrins
e a relva existam
para aliviar os teus
pés cansados
das salinas

preciso de
um riacho
cuja água seja cristalina
para que o céu
aviste teus seios
como as ramas
das algas bailarinas

preciso apenas
da vida
que vibra
na celesta

a mesma que haveria
de sentir
se por ventura
tivesse delicados dedos
alterando a minha sina







/////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário