sexta-feira, 5 de maio de 2017

delírios


(...)respirar as estrelas
no frescor dos azuis
dar ao tato
dos teus cabelos
a lisura condensada

esvaziar
dos despojos
o ninho empedernido


alçar voo  dos quefazeres
dos homens
para amá-los
sem cansaço

raspar tudo
que entrelaça
limpar tudo
que passa

fazer-te
um colchão
de relva
no cercado
de girassóis

colher novamente
amoras
dando ao beijo
o fragor das rosas

esticar
o corpo numa
esteira para
teu flanco
receber

encaixar palmas
nas ancas
cobrir com Sol
a nudez que
escapa

colher filetes
de Sol
dormitar quando se abraça

esquecer
quantas flores
se beija
no vinho da língua
mormente no rubi da taça








/////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário