sexta-feira, 19 de maio de 2017

florida



com amor
não vegeto sozinho
destilando elixires
alucinogênicos

se és água-forte
ó dama da vida/morte
sou cobre
me derretendo

se me penso ouro
desfaço-me branco
sob o orvalho da tua
lágrima régia

no sacramento
desta solidão
esvoaço-me
qual nitrogênio
brando

contudo
se mudo
e me faço luto
perco-te
o albedo

na névoa
do socorro
transfigurado
ou nas rédeas
de meu segredo








///////////////////////////////////////////////////////////////////

Um comentário: