terça-feira, 23 de maio de 2017

Ícaros


Não haveria toques na carne
mais do que toques na alma

não haveria ruídos no sono
como o mundo em desencanto

não haveria surtos 
de horizontes
mais do que chamas solares
de sons em favos de calmas

não haveria a lembrança
dos bons tempos
caso do inferno
não desabrochassem
flores insólitas e até cogumelos

não haveria um amor delirante
mais do que essa poesia
dos instantes

não haveria como saber
se a voz era visionária
ou a tosse de um ufano

alguns poetas se pintam "Grays" eternos
outros morrem joviais e amputados
como "Rimbaud"

por outro lado
há também o poeta
que sem  raiz
voa alto (como o rei dos condoreiros)
mas que também clama
sobre os injustos
os raios de "Xangô"

eu penso  que sou
castrado dos sonhos
escravo da vida
e amante do Sol

posso amar a minha "Eugénia"
só que mui precocemente
terei as asas partidas
as penas derretidas 
num cálido crisol



Nenhum comentário:

Postar um comentário