quinta-feira, 6 de julho de 2017

COMUNHÃO


Eu sou do barro o conde
por que do poema
que é só teu te escondes (?)

caiu a vela
no coração do
estetoscópio

sabes por que
para nós
não haverá
denominações ou seitas(?)

porque não está
mais próximo
de Deus
quem com o
NOME a si enaltece

arranha
o gato de Mani
e pula

ele teme a
vacina e as mãos dos homens
embora beba
em secreto do "sangue"

 tu que ateias
fogo dizendo
que não crês

ateia e
increia serias
se não observasses vida
nas flores
e nas coisas
de criança

eu desde bebê
pensava que teteia fosse
aquela aranha
na teia da telha

e numa fatídica noite
vi no teto
a minha orelha

devo eu estar
ciente
de - voto
de castidade
e da reza

ou devo dizer
que não colho
as flores
que pela
estrada eu planto(?)

há desconfianças
que causam no
amor que guardo
uma unhada
uma gota
mártir


e o pranto





////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nenhum comentário:

Postar um comentário