terça-feira, 25 de abril de 2017

influências


Hitler ganhara
a bengala de Nietzsche
será que ele a usou (?)

agradava-lhe
a ideia do
martelo
pra julgar
e condenar






///////////////////////////////////

BECOS


A sensação frustrante
na rua sem saída
mesmo sem nenhuma
objetividade
na ida

o vício de querer
a tudo entender
apesar da arte
o zen e o Tao
insistirem
que não tem
nada a ver

o fato contraditório
de estarmos sempre
no início
mesmo estando
calejados
pela vida

um homem
que olha para
a vida e só vê
a lida

um cão que
olha para um livro
e não vê portal






////////////////////////////////////////////////

reveses

Esses ringues de vale-tudo
deveriam ser usados
pelos presidentes

lá eles resolveriam
seus problemas
interiores

sem que os homens
precisassem
perder suas casas
seus jardins
seus entes queridos
ou suas vidas

mas o que ocorre
é que eles já possuem
suas casas no espaço sideral

e programam fugir
para lá com sua família para assistirem
a hecatombe aqui na Terra
(comendo pipocas)

possuem mantimentos
oxigênio e água
para o resto de suas vidas
lá no céu

e nós
queimaremos no inferno



/////////////////////////////////////////


julga-me

Falam de olhos
que não sei
não sei de olhos
que não falam

já andei
pelos campos
das parábolas
onde os cães
bebem do
perfume
das flores

ficava na memória
o som da porteira
e estalava na poeira
qualquer verso
engasgado

e você se recolhia
num domingo
ironizando-me
como se eu
gostasse das
peias
como se
milagres eu
fizesse
aos sábados








/////////////////////////

segunda-feira, 24 de abril de 2017

flores silvestres


para o divertimento
do tempo e da vida
que não é mais
que um momento
levarei flores da selva
desidratadas que marcam
poemas em folhas encardidas

e quando você
souber que já não
preciso do ar
traga-me flores frescas
talvez o azul da flor
"amor-em-uma-névoa"

já nos momentos em que
a saudade vier
riscar lodos no
alto das cornijas
no umbral da eternidade

seus cabelos fortes
devem cobrir
sua nuca para que
eu resista beijá-la
já que despido
da tenra carne
tornara-me só alma

haverá quem duvide
do vermelho vivo
da capuchinha
ou do azul inconcebível
dessas pequenas
nigelas e não tarda
duvidarão do0 meu amor
na primavera e em
outras estações

importa saber que
foi culpa da morte
anjo cujo manto é luto
que delicadamente
tomou-me pela
mão direita
que não deu-me escolhas
quando o infinito
rasgou seu grito
aos confins das estrelas pulsares

haverá algum pombo
na janela do seu sobrado
seus olhos
baixos cujos
sonhos isola
isolará
os versos
do frio lá de fora


caso o desespero
lhe convencer
que meus ossos
se congelaram

ria-se
pois
ria por nós dois

Ah quanto engano
nas dobras
dessa infame saudade
louca
insana(!)


não sabe (?)
eu sou o calor
na sua nuca
que faz você
ofegar-se por
entre os lençóis

eu sou só a lembrança mais viva
de um carinho
do abraço exclusivo
do beijo irresistível
entremeando o chá
de vapores aromáticos

e até que mude a
estação
meus olhos estarão
na ponta dos seus dedos
que tateiam seu próprio corpo
sob a neve
do "futon"

veja
já se vê o falhanço
da morte
em querer
nos desjuntar

morte fraca
desmazelada(!)







////////////////////////////////

sonho e magia


pobres
não sabiam
definitivamente
a razão da
utopia

seu fim era
triste
ou sem nexo

desprezo
esquecimento
quando o mais forte
se afasta
do mais fraco

assim é o fim
como desfazer
as flores
do cardo

mas no caminho
do moinho
sempre havia sonhos
e sonhadores
apaixonados

os olhos não viam
as roupas que
as mãos estendiam
no varal

mas a mente
esvoaçava mais
quando o vento
brincava em respingos d'água

evaporados
os sonhos
choviam letras
no papel
ou nas unhas
sem cores

um dia de frio e sol
caminhando
por entre touceiras
de capim annoni

olhando casas
que não eram
sobrados

flores que
pareciam antúrios
em vasos

verde brotando dos cantos
corpo magro
e olhos assustados

tudo era simples
exceto o sentimento
que tauxiava-lhes
estrelas na noite
colhia
da horta
o bom cheiro

tudo era simples
exceto o
pulsar de
seus corações

um dia assim
frio de cortes
e magia
acordei
pensativo








///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

o raio

Como um
raio de luz
que desce do
firmamento
é o seu silêncio
em minha
morada

sinto a raiva
rorejando
das reticências
contudo é o raio
declaradamente
inimigo de toda
ansiedade
inerente ao mundo
não o mundo cujo
manto de barro
fora pela natureza  marchetado de ouro
lavado com o perfume das rosas
sem estações
o mundo cuja cabeleira é
feita de copas ou
sorrisos de pássaros
em galhos 

apenas o mundo do pensamento
que não mede consequências
por medir demais
a minha
angústia

ah diz tanto
o silêncio
que canta pra mim
no final das tardes

o silêncio da tua boca
beijada
na busca
do ser que nada
possui
o que mendiga
sonda
e apetece
o que resmunga
cobra
clama e
deseja
o ser inesperado
que rasga os
céus no clímax
das tempestades
aquele que albergado
não se contenta
que servido não
se sacia
que enriquecido
sente-se
pobre
mas há um doce
murmúrio de nossa
infância
um lodo branco
em nossos córregos
e por haver tantas
e tantas esperanças
no mistério da
primavera
é que eu aguento
mais um dia
um mês
um ano sem

essa"voz"












///////////////////////////////////////////////////////////////////////